Destaque Notícias

Hemocentro de Ji-Paraná faz apelo a doadores com tipagem sanguínea negativa

Os homens podem doar até quatro vezes ao ano, enquanto a população feminina somente três vezes anualmente

 

A direção do banco de sangue de Ji-Paraná, faz um apelo aos doadores de sangue, voluntários ou não, para que se sensibilizem e façam doação de sangue, em especial aos doadores com tipo sanguíneo negativo, que são mais raros. O estoque do fator RH negativo, está abaixo da necessidade diária. Desde que surgiu a pandemia de Covid-19 em Rondônia, em março de 2020, os doadores se afastaram do Hemocentro.

“Necessitamos dessa reposição o quanto antes, particularmente devido ao uso recorrente em tempo de pandemia da Covid-19. A demanda só não é maior devido a suspensão das cirurgias eletivas terem durante o período de restrição da pandemia. Todo o sangue captado tem sido direcionado apenas às cirurgias de emergência”, explica a assistente social Cleide Ribeiro, do  banco de sangue de Ji-Paraná.

A confeiteira Tainara da Silva é doadora regular há três anos

Cleide explica ainda, que mesmo que o doador tenha sido positivado com a Covid-19 na forma branda ele está apto a doar sangue após 30 dias de recuperação. “As bolsas de sangue coletadas passam por duas análises laboratoriais criteriosas para certificar a qualidade e, se aprovadas em 100%, podem ser utilizadas nas transfusões”, afirma a assistente social, fazendo um apelo ao retorno dos doadores de qualquer tipo sanguíneo.

O Hemocentro de Ji-Paraná, está preparado para coletar todos os tipos de sangue diariamente e é referência no atendimento aos hospitais públicos e privados da região Central do Estado. Todos os cuidados sanitários no enfrentamento ao coronavírus são praticados no local de doação, resguardando a segurança dos 37 mil doadores cadastrados e dos servidores.

A confeiteira Tainara da Silva Neto, é doadora voluntária há três anos. Apesar do tipo sanguíneo dela ser “O+”, que não está entre os mais requisitados no momento, ela diz que se tornou doadora porque se sensibiliza com o próximo, mesmo sem conhecer quem se beneficia com a doação. “A Covid-19 nos apavora muito mesmo. Então, nesse momento, devemos ser mais empáticos, espontâneos e conscientes de que as pessoas necessitam dessa nossa colaboração”, declarou a confeiteira, ressaltando que se sentiu segura no Hemocentro devido aos cuidados sanitários.

Fonte:Secom/RO

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.