Destaque Meio Ambiente Notícias

Operação contra crimes ambientais é deflagrada para proteger terra indígena Karipuna em RO

A Polícia Federal (PF) deflagrou a partir desta segunda-feira (24) a Operação Crepitus para prevenir e reprimir a entrada de invasores na Terra Indígena Karipuna em Rondônia.

Segundo as investigações, há no entorno da terra indígena várias pontes construídas por invasores, que buscam ocupar e desmatar a TI. Durante a operação essas pontes clandestinas serão destruídas assim como maquinários e outros objetos usados ilicitamente na região. Também passa a ser fiscalizada a presença de pessoas não autorizadas na área e seus eventuais crimes praticados.

A ação é feita em conjunto com o Exército Brasileiro, Fundação Nacional do Índio (Funai), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Força Nacional e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Operação na Terra Indígena Karipuna em Rondônia  — Foto: PF/Divulgação

Operação na Terra Indígena Karipuna em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

O nome da operação significa explosão em latim e faz referência a atuação desta semana que vai destruir os objetos utilizados para a prática de crimes, com o uso de explosivos.

Terra Indígena Karipuna

Operação na TI Karipuna em Rondônia  — Foto: PF/Divulgação

        Operação na TI Karipuna em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

  • A TI está localizada nos municípios de Porto Velho e Nova Mamoré;
  • Território de 153 mil hectares foi homologado em 1998;
  • MPF diz que 11 mil hectares já foram devastados “por intensa atuação criminosa de madeireiros e grileiros”;
  • Dos 58 karipunas vivos, 22 frequentam a aldeia;
  • Risco de genocídio foi apontado pelo Ministério Público Federal em junho de 2018;
  • Em julho de 2018, Justiça Federal determina, em caráter de urgência, a proteção do povo Karipuna.

 

O território abrange parte de Porto Velho e de Nova Mamoré. Há cerca de dois anos o G1 esteve na região para entender como os karipunas resistem. No caminho até a aldeia, pasto e gado dominam a paisagem. A floresta aparece só depois da ponte do igarapé Fortaleza, ponto de entrada na terra indígena.

Dentro da área, toras de árvores derrubadas impedem a passagem nos ramais (estradas de terra). Clarões sem vegetação se destacam entre os caminhos e, muitas vezes, o que era floresta já virou carvão.

A presença da fiscalização constante da Funai reforçaria uma luta que hoje é travada por um grupo pequeno. São 58 karipunas vivos, mas apenas 22 frequentam a aldeia.

Entre os 22, pelo menos 10 não estão permanentemente no território: estão casados com brancos, trabalham fora e se articulam para fazer denúncias a órgãos diversos. Poucos homens se revezam em estratégias para proteção dentro da aldeia.

Da Redação

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.